Digite o nome do autor do mesmo jeito que aparece no perfil. Será mostrado tudo que o autor participa.


Icon Icon Icon Icon




A Devil For Me. - Capítulo Mais um dia de trabalho. [+16] por sakymichaelis Ter 29 Out 2013 - 19:57



Cavaleiros do zodíaco-batalha final - Capítulo Prólogo [+13] por VITOR/OTAKU 305 Sab 26 Out 2013 - 17:51



Mid - Demons - Capítulo Prólogo [+16] por Lara_ Qui 24 Out 2013 - 18:48



[Me candidato à Beta Reader] Lara_  por Lara_ Qui 24 Out 2013 - 18:32



[Me candidato à Beta Reader] Aline Carvalho  por Aline Carvalho Qui 24 Out 2013 - 17:39



Ver tudo





Nós estamos no ar desde
Sab 16 Mar 2013 - 11:57!


Capítulos postados: 479

Comentários postados: 973

Usuários registrados: 491



O último usuário registrado foi:
sayuri234

Parceiros




Compartilhe | 
 

  Sombrio Como a Noite. - Capítulo 09 [+16]

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
MensagemAutor
13072013
Mensagem Sombrio Como a Noite. - Capítulo 09 [+16]

Clique aqui para ver todos os capítulos desta história!

[img][/img]

Tema do Desenho / Quadrinho:
Batman.

Gêneros:
Ação, Amizade, Aventura, Mistério, Romance, Suspense, Tragédia,

Clique aqui para ver as Informações Iniciais:
 


Um Gigante de Vidro.

Bane correu gritando como um louco e empurrou Asa Noturna com seu ombro, o herói bateu contra a parede do navio, mas por sorte seu traje absorveu a força do impacto.

—Pude perceber que seu uniforme absorve os danos que você recebe. –Bane disse mostrando suas habilidades analíticas. —Não vai mudar nada, eu ainda quebro a suas costas.

—Acho que não. –Asa Noturna pulou por cima do vilão e lançou batarangues contra suas costas, mas a pele de Bane os repeliu facilmente.

—Está tornando as coisas fáceis para mim chico. –Bane disse rindo.

—Acha mesmo. –Asa Noturna disse sorrindo.

Quando prestou atenção Bane começou a ouvir um som, os batarangues havia liberados três pequenos explosivos no corpo do vilão, Asa Noturna cobriu o rosto quando os explosivos detonaram, mas quando a poeira baixou Bane não havia sofrido nenhum dano.

—Inteligente, criativo, você com certeza é superior aos outros pássaros, talvez algum dia possa ser superior ao morcego, mas não a mim. –Bane pegou um caixote com sua droga, e o lançou contra Asa Noturna.

O herói desviou do caixote que se arrebentou contra a parede, mas assim que virou o rosto mais quatro tinham sido lançados contra ele, Asa Noturna se devia com dificuldade, até que um deles o acerta o deixando atordoado.

—Agora, eu quebro você. –Bane pegou Asa Noturna pelo braço e o lançou contra a parede com toda a sua força.

Quando Asa Noturna se chocou contra a parede sentiu seu cotovelo ser deslocado pelo impacto.

—Droga. –Asa Noturna disse enquanto segurava seu braço.

—Só um cotovelo deslocado, eu estou um pouco enferrujado. –Bane disse se aproximando, ele batia os pés no chão com força para aumentar o medo de Asa Noturna.

—Preciso de tempo. –Asa Noturna disse jogando uma bomba de fumaça em Bane, quando a fumaça sumiu o herói também desapareceu.

Na verdade Asa Noturna havia se escondido do outro lado do hangar, ele abriu a parte superior de seu uniforme, e pegou um pedaço de um dos caixotes e o colocou na boca, então começou a puxar seu braço com força para colocar seu cotovelo no lugar, quando conseguiu soltou um grito abafado pela madeira, ele apertou seus dentes tão forte que quase a quebraram, então ele fechou seu uniforme e voltou para a luta.

—Só espero que eu dure mais algum tempo. –Asa Noturna disse observando seu braço.

—Ora, ora, ora, reposicionar o cotovelo, já vi o morcego fazer isso, você é mesmo bom. —Bane disse se virando para Asa Noturna. —Mais eu ainda não acabei.

Bane começou a correr na direção de Asa Noturna, o herói desviou e lançou uma granada com uma maça densa que bateu no rosto de Bane, mas o vilão rasgou a massa como papel com as mãos.

—Acho que eu já brinquei de mais! –Bane exclamou empurrando Asa Noturna, o herói bateu em alguns caixotes que estava empilhados.

O vilão tentou esmagar Asa Noturna com sua mãos, mas o heróis desviou novamente, e Bane destruiu os caixotes e os frascos de Veneno, ele continuou a socar o chão o amassando. Então Asa Noturna lançou seu gancho contra Bane, mas o vilão pegou a corda e puxou Asa Noturna para junto de si.

—Que tal um abraço. –Bane começou a apertar Asa Noturna, nem mesmo seu traje podia conter a força de Bane, ele podia sentir seus ossos se moverem e quase se arrebentarem.

Para se salvar Asa Noturna apertou um botão em seu pulso que liberou três pares de lâminas elétricas de seu braço, então ele as passou no rosto de Bane perfurando um dos olhos do vilão que o soltou, e gritou de dor, o globo ocular do vilão estava no chão e sem ver Bane o esmagou.

—Vai pagar por isso Asa Noturna! –Bane exclamou, ele correu como um louco na direção de Asa Noturna, mas o herói novamente desviou dele.

Asa Noturna subiu nas costa de Bane, ele pegou as mangueiras que enviavam o Veneno para dentro do corpo do vilão e as puxou até se soltarem, ela se desprenderam e Asa Noturna caiu no chão, seu corpo ainda doía por causa do abraço de urso de Bane, o Veneno do vilão jorrava pelas mangueiras ele se ajoelhou enquanto seus músculos diminuíram, mas algo chamou a atenção de Asa Noturna enquanto Bane voltava ao normal.

—Não, não, não! –Bane dizia enquanto procurava as mangueiras desesperadamente para colocá-las de novo, mas rapidamente ele enfraqueceu, ao invés de voltar ao tamanho que estava antes de ingerir o Veneno, o vilão se tornou franzino e magro, quase esquelético.

Depois que a batalha acabou Piadista desceu preocupada para o hangar.

—Você conseguiu. –Ela disse feliz, até que olhou para Bane. —O que aconteceu com ele?

—Acho que esse Veneno é o que o mantém saudável, talvez seja até o que o mantém vivo. –Asa Noturna disse checando a pulsação de Bane estava fraca. —Vamos tirar ele daqui, ele precisa de ajuda médica.

—Tire as... mãos de mim. –Disse Bane tentando resistir, mas ele não conseguia nem levantar um dedo.

—Por que? Vamos deixar ele aqui, assim não tem mais como ele exportar o Veneno para Gotham. –Piadista disse.

—Não, eu tirei o Veneno que estava preso nele, se ele morrer será minha culpa, e eu não sou um assassino. –Asa Noturna disse tentando levantar Bane, mas seu braço estava começando a doer novamente.

—Tudo bem? –Piadista perguntou ao ver a dificuldade dele de levantar Bane.

—Ele deslocou meu cotovelo, mas eu estou bem. –Asa Noturna disse tentando disfarçar a dor.

Os dois saíram do hangar com Bane, cuidadosamente eles o deitaram para ver o que poderiam fazer.

—O que a gente faz chama uma ambulância? –Piadista perguntou enquanto colocava Bane no chão.

—Não, os batimentos dele estão ficando muito fracos. –Asa Noturna disse analisando os batimentos cardíacos de Bane com seu computador de pulso. —Vou tentar uma coisa.

Asa Noturna pegou as mangueiras que ainda estavam presas as bombas de Veneno, ele as colocou no lugar, em seguida ele pressionou o botão que mandava o Veneno para dentro, conforme o Veneno corria pelas veias de Bane o corpo do vilão aumentava, quando Bane adquiriu uma aparência mais saudável ele desligou a bomba.

—Funcionou. –Piadista disse impressionada.

—Sim, foi uma hipótese, mas pelo menos ela estava certa. –Asa Noturna disse se levantado.

Os homens de Bane apareceram e os cercaram com as armas apostas, Bane se levantou e se aproximou deles, Asa Noturna colocou o braço na frente de Piadista como um sinal de proteção, mas ao invés de atacar, Bane começou a rir.

—Abaixem as armas. –Bane disse depois de sua gargalhada.

—Vai nos deixar ir? –Asa Noturna disse depois daquilo.

—Não gosto de dívidas, você salvou minha vida e agora eu poupo a sua. —Bane disse de forma pacifica, o que era muito estranho para alguém como ele.

—Você pode fazer uma coisa para mim? –Asa Noturna perguntou. —Onde está o Exterminador.

—Eu sei o que quer, o Exterminador não está mais aqui, quem administra essa cidade agora é a filha dele a Devastadora. –Bane respondeu.

—Devastadora, quem é ela? –Asa Noturna perguntou curioso.

—Eu não vou te dizer mais que isso chico. –Bane disse cruzando os braços.

—Pelo menos sabe algo sobre o outro Asa Noturna? –Asa Noturna perguntou querendo pelo menos algo sobre o Impostor.

—Sei que ele e Devastadora dividem a mesma cama, e que ele também extorque os chefões do crime que são burros o suficiente para ter medo dele. –Bane explicou.

—E você não? –Asa Noturna perguntou.

—Eu tenho um exercito chico. –Bane disse rindo novamente. —Ele estaria morto antes de chegar até mim.

Depois de ouvir tudo Asa Noturna e Piadista saíram do petroleiro, mas antes que eles subissem na moto do herói Bane apareceu novamente para eles.

—Te deixei viver hoje Asa Noturna, mas não terá nenhuma dívida entre mim e você na próxima. –Bane disse olhando para o herói.

—E por que acha que eu te enfrentaria de novo? –Asa Noturna perguntou de forma fria.

—Você é bom, não tenho uma briga como essa desde o que Wayne deixou de ser o Batman, mas agora eu tenho um novo rival. –Bane disse dando as costas para eles quando chegou até a plataforma que levava para dentro do barco ele exclamou. —Na próxima eu quebro a suas costas!

—Você está ficando popular. –Piadista disse sorrindo, o sorriso dela era muito bonito, não era como o do Coringa ou da Arlequina.

—Agora vejo por que te chamam de Piadista. –Asa Noturna disse ligando a ignição da moto.

Asa Noturna deixou a Piadista no apartamento que seu pai havia deixado para ele na cidade.

—Não se preocupe vai ficar segura aqui eu garanto. —Asa Noturna disse para ela.

—Obrigada. –Piadista disse indo até o apartamento, mas antes ela voltou correndo e deu um beijo na bochecha do herói. —Vamos fazer isso de novo?

—Isso depende de você. –Asa Noturna respondeu com um sorriso, mas era possível ver que seu rosto estava um pouco corado.

Depois de se despedir da Piadista, Ricky deixou seu uniforme na Toca e voltou para Gotham. Na mansão, sua mãe já havia ido dormir, também já passavam de três da manhã, mas Bruce ainda estava de pé.

—Oi Ricky, onde esteve depois que desligou o comunicador. —Bruce perguntou irritado.

—Não tenho tempo para isso velho, eu tenho uma pista do Impostor, o que sabe de uma mercenária chamada Devastadora? –Ricky perguntou de forma direta.

—Rose Wilson, filha do Slade, excelente guerreira e ela trabalha para quem pagar mais. –Bruce respondeu. —Por quê?

—Ela e o outro Asa Noturna trabalham juntos, eles extorquem os chefes do crime de Gotham, mas eu não sei porque. –Asa Noturna disse repetindo tudo o que Bane havia dito.

—Faz sentido, o Charada e o Máscara Negra foram encontrados mortos há alguns meses, talvez ele tenha matado eles, porque não o obedeceram. –Bruce disse conectando os fatos aos dois vilões. —Onde conseguiu isso tudo.

—Tenho minhas fontes. –Ricky disse indo para o seu quarto.

—E a garota? –Bruce perguntou.

—Ela está segura, não se preocupe. –Ricky disse se virando para Bruce.

—Mais uma coisa, nunca mais me chame de velho. –Bruce disse com uma voz agressiva, mas sua expressão era de tristeza. —Só o Damiam pode me chamar assim.

Ricky percebeu a tristeza por ter seu filho longe, mas mesmo assim foi para seu quarto. Bruce foi até seu escritório e se recostou em sua cadeira, então ele pegou uma foto que deixa guardada dentro de sua gaveta particular, na foto ele estava com Damiam e Selena, Damiam era apenas uma criança, ele estava usando o capuz de Batman que ficava comicamente grande em sua cabeça, Selena então entrou no escritório e viu seu marido com aquele olhar triste.

—Sente falta dele não é? –Selena perguntou já sabendo a resposta.

—Ele é nosso filho, não tem como eu não sentir falta dele. –Bruce disse entristecido. —Eu fui um bom pai para ele Selena?

—Por que pergunta isso? –Selena disse confusa.

—Antes de sair ele disse: “Você nunca foi um pai para mim.” –Bruce disse lembrando das ultimas palavras de seu filho antes de sair da mansão.

—Ele estava abalado com a morte do Dick, Bruce você sempre tentou ensinar o que podia para tornar o Damiam um bom homem. –Selena disse tentando consolar seu marido.

—Mas não foi o suficiente. –Bruce disse indo até a janela de seu escritório que fica virada para o cemitério.

Enquanto isso em Bludhaven, Piadista estava tomando um banho na banheira que havia no apartamento, apesar da família Grayson não viver lá há seis anos o lugar estava limpo, e a eletricidade e o encanamento funcionavam normalmente.

—Por que me sinto diferente perto dele? –Piadista se perguntou enquanto lavava seu cabelo. —Será que o Asa Noturna pode, mudar quem eu fui.

Ela continuou pensando nisso, até ir dormir. Enquanto Ricky não parava de pensar no Impostor e na Devastadora, ele tinha certeza que eles sabiam onde estava o Slade, e tinha certeza que ele sabia quem tinha matado seu pai, mas, além disso, ele também pensava em Piadista, principalmente no beijo em que ela deu em seu rosto.

avatar
Samuel Jr
Escritor(a) Padrão

Mensagens : 26
Popularidade : 1
Data de inscrição : 25/06/2013
Idade : 20
Localização : Botucatu, SP
Respeito às regras : Nenhuma advertência. Após 04 advertências, o usuário será banido.

Escritor especialista em Fantasia

Ver perfil do usuário
Voltar ao Topo Ir em baixo
Gostou? Então compartilhe: BookmarksDiggRedditDel.icio.usGoogleLiveSlashdotNetscapeTechnoratiStumbleUponNewsvineFurlYahoo!Smarking

Sombrio Como a Noite. - Capítulo 09 [+16] :: Comentários

Nenhum comentário.
 

Sombrio Como a Noite. - Capítulo 09 [+16]

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 

Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: ::::::::: PUBLICAÇÃO DE FANFICS [CATEGORIAS] ::::::::: :: DESENHOS / QUADRINHOS-

Site melhor visualizado e operado no Mozilla Firefox ou Google Chrome.
No Internet Explorer você não conseguirá usar muitos recursos especiais.