Digite o nome do autor do mesmo jeito que aparece no perfil. Será mostrado tudo que o autor participa.


Icon Icon Icon Icon




A Devil For Me. - Capítulo Mais um dia de trabalho. [+16] por sakymichaelis Ter 29 Out 2013 - 19:57



Cavaleiros do zodíaco-batalha final - Capítulo Prólogo [+13] por VITOR/OTAKU 305 Sab 26 Out 2013 - 17:51



Mid - Demons - Capítulo Prólogo [+16] por Lara_ Qui 24 Out 2013 - 18:48



[Me candidato à Beta Reader] Lara_  por Lara_ Qui 24 Out 2013 - 18:32



[Me candidato à Beta Reader] Aline Carvalho  por Aline Carvalho Qui 24 Out 2013 - 17:39



Ver tudo





Nós estamos no ar desde
Sab 16 Mar 2013 - 11:57!


Capítulos postados: 479

Comentários postados: 973

Usuários registrados: 491



O último usuário registrado foi:
sayuri234

Parceiros




Compartilhe | 
 

  Petter The Hunter - Capítulo 3 [+16]

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
MensagemAutor
12062013
Mensagem Petter The Hunter - Capítulo 3 [+16]



Tema:
Supernatural

Gêneros:
Ação, Aventura, Comédia, Fantasia, Mistério, Suspense,

Clique aqui para ver as Informações Iniciais:
 



Dois meses se passaram comigo treinando varias coisas, aprendendo lutar corpo-a-corpo, usar armas, fazer exorcismos, matar fantasmas e muito mais. Agora eu estava pronto para caçar os vampiros.




– Harry, acha que estou pronto para caça-los? – Perguntei com muita ansiedade.




– Sim eu acho, e seria um ótimo começo pra você, mas quero lhe esclarecer, que pode ser que não achemos sua irmã lá, você sabe disse certo? – Eu queria poder dizer que era mentira, mas eu sabia que era verdade.




– Sei, ela já deve estar morta um dia desses, mas se eu não puder resgata-la com certeza vou vinga-la. – Falei com determinação.




– Não fale assim também, ela ainda pode estar viva, às vezes vampiros n… – Tentou falar ele, mas eu o interrompi.




– “Não comem por meses” eu sei, você já me falou isso varias vezes. – Eu pego a foto da minha irmã que está guardada em minha carteira, e fico olhando para ela.




No outro dia, nós partiríamos para caçar os vampiros, então acordamos muito cedo. Eu acordei e fiquei pronto logo. Enquanto esperava o Harry, fiquei olhando os jornais de Lawrence, para ver se tinha algum desaparecimento, até que encontrei algo: “Garota de 16 anos ao sair da escola some e ninguém sabe o seu paradeiro.”. Eu pensei na hora que foram os vampiros, mas não da pra ter certeza, sem entender o que houve. Harry chega na sala e me vê olhando fixamente para o jornal.




– Achou algo? – Perguntou ele pegando um café para tomar.




– Sim, uma garota do meu colégio desapareceu anteontem. – Falei surpreso.




– Você conhecia a garota? – Pergunta Harry botando o café na xicara.




– Já namorei ela. – Afirmei e abaixei a cabeça. Porque ela? Eu gostava tanto dela…




– Entendo… Quer café? – Harry tenta mudar de assunto.




– Vou botar numa garrafa para levar no caminho. Obrigado. – Respondi




– Ok, vamos indo então. – Nós dois pegamos nossas coisas e guardamos no carro. – Nervoso? – Pergunta Harry abrindo a porta do carro.




– Um pouco. – Falo e solto um sorriso.




– É normal garoto, é sua primeira caçada e tem um grande significado pra você. – Fala ele. – Então vamos deixar de papo furado e vamos indo. – Ele entra no carro e eu faço o mesmo.




Faltando meia hora para chegar ao destino. Nós paramos em um posto de gasolina, Harry pediu para o frentista encher o tanque e foi à lanchonete que tinha no posto, eu preferi ficar no carro. O frentista para do lado da porta que eu estou e me ataca, eu o empurro e vou para o outro lado do carro e saio pela porta. Quando olho para o frentista, consigo ver claramente suas presas. O vampiro corre em minha direção, eu o aguardo, quando ele chega perto, eu saio da sua frente e pego seus braços, imobilizando-o. Harry chega e vê o frentista amarrado na pilastra do posto.




– O que é isso? – Pergunta ele olhando para mim desentendido.




– É um vampiro, tentou me atacar, mas consegui imobiliza-lo e o amarrei nessa pilastra. – Digo tentando acalmar a minha respiração.




– Um vampiro? Mas o que ele está fazendo aqui? – Pergunta Harry.




– Provavelmente vigiando a cidade, caso algum perigo chegasse, mas é melhor nós fazermos, ele falar o motivo. – Pego uma faca e um pote de sangue da minha bolsa.




– Não aqui Petter, vamos leva-lo para a lanchonete.




Eu o pego e vou empurrando ele até a lanchonete, Quando chegamos lá o amarro de novo só que desta vez ao balcão de atendimento.




– Então… Por que você não me diz por qual motivo você está aqui? – Pergunto segurando a faca.




– Por que eu deveria? Você não manda em mim. – Eu dou um riso irônico.




– Olha, você vai falar, só estou perguntando se vai ser do jeito fácil, ou do jeito difícil. – O vampiro olha para mim e vê que eu estou falando serio, mas mesmo assim, não cede.




– Vá se ferrar. – Eu pego o pote com sangue de homem morto e mergulho a faca dentro.




– Está bem, já que você prefere assim. – Eu faço um pequeno corte no braço do vampiro, que por sua vez da um grito, eu continuo fazendo isso em outras partes do corpo, até que o vampiro cede.




– Pare, por favor. Eu falo. – Eu retiro a faca da sua perna e espero ele falar. – Eu estou vigiando a cidade, disseram que viram um caçador e acharam que ele podia voltar.




– Quem disse? – Pergunto.




– Os membros do meu covil. – Respondeu o vampiro com um olhar de medo.




– Onde é o seu covil?




– Você acha que eu vou falar? Você mataria todos que estão lá. – Eu aproximo a faca da barriga do vampiro. – Ok, eu falo. Rua Whislow – Nº 45.




– Muito obrigado, você ajudou muito. – Então eu faço um movimento rápido com a faca e a cabeça do vampiro cai no chão. Eles estavam certos que o caçador ia voltar, só não sabiam que viria outro também. Penso.




Eu limpo a faca, pego as coisas e saio da lanchonete. Harry estava me esperando do lado de fora.




– O que conseguiu? – Pergunta ele olhando para mim.




– Tudo que perguntei. – Harry me olha satisfeito. - Ele estava aqui por sua causa, achavam que você iria voltar pra mata-los.




– Pelo menos não são totalmente burros. – Nós dois caímos na gargalhada. – Então temos que achar o covil, né?




– Também já resolvi isso. – Eu olho o papel onde anotei o endereço e leio. – O endereço é: Rua Whislow – Nº 45. – Eu dou o papel para Harry.




– Muito bom garoto. Então vamos amanhar de manhã, será mais fácil ataca-los enquanto estão dormindo. – Falou Harry enquanto se dirigia ao carro.




– Ok, vamos achar um lugar para dormir hoje. – Eu o segui e entrei no carro.




Nós chegamos a um hotel e pegamos a chave do quarto. A noite foi tranquila. Ninguém nos incomodou. Na manhã seguinte nós estávamos prontos para ir ao endereço, levantamos e fomos direto para o carro. Quando chegamos lá, Eu percebi que era a casa do ex-namorado da minha irmã.




– Essa é a casa do Jerry. – Eu falei surpreso.




– Quem? – Perguntou Harry sem entender nada.




– Ex-namorado da minha irmã. Foi para ai que fomos levados, quando nos capturaram. – Falei saindo do carro e pegando o material que poderia precisar lá dentro.




– Então ai é com certeza o covil. – Fala Harry pegando a espingarda com as balas cheias de sangue de homem morto. – Você sabe quantos deles tem?




– Como eu disse, só tinham 3 naquele dia: Um homem que estava dormindo numa rede, a irmã do Jerry, e o Jerry, eu acho. Não consegui ver ele, mas tenho quase certeza que era pelo olhar que minha irmã fez quando ele estava soltando minhas mãos. – Respondi.




– Está bem, vamos entrar pelos fundos. – Eu balanço a cabeça confirmando.




Nós dois estamos na porta dos fundos, Harry tentando abrir a porta e eu vigiando para ver se alguém aparece, depois que entramos, nós nos separamos. Eu subi as escadas para ver se tinha alguém lá em cima, enquanto Harry ficou no andar de baixo. Mas mal sabíamos que os vampiros estavam esperando por nós. Harry se deparou com 3 vampiros (2 homens e 1 mulher) e eu com dois (Jerry e mais uma menina), eu atirei em Jerry, que caiu no chão, mas não tive tempo de atirar na outra vampira, Ela me atacou, mas eu dei um soco na barriga dela e a joguei escada abaixo, isso me deu tempo para cortar a cabeça de Jerry. Então ouvi um grito e desci as escadas, vi que Harry tinha matado os 3 vampiros. E que a outra tinha quebrado o pescoço quando caiu da escada. Então fomos procurar algum refém na casa, mas não achamos ninguém. De repente o telefone toca, eu atendo.




– Alô. – Quem será que esta ligando?




– Olá Petter, acho que você está procurando sua irmã não é? – Eu fiquei pasma, não fazia ideia de como ele sabia meu nome.




– É, mas ela não está aqui, não é?




– Claro que não, ela está aqui comigo. – Eu ouço minha irmã gritando “Petter!!” – Viu? Ela está sã e salva… Por enquanto. – Fala o vampiro e dá uma gargalhada.




– Se você tocar na minha irmã, eu te mato seu desgraçado. – Falo com muita raiva.




– Pra você me matar, você tem que me achar primeiro. – Responde ele com tom de deboche.




– Eu vou te encontrar. – Digo com comprometimento.




– Eu sei que vai, só não sei se fará isso rápido o suficiente. – Fala o vampiro.




– Rápido o suficiente para o que? – Pergunto esperando não receber a resposta que veio em minha mente. Mas é justamente esse a que eu recebo.




– Para salvar a sua irmã. – O vampiro ri e desliga a ligação.





avatar
Eduardo Victor


Mensagens : 8
Popularidade : 0
Data de inscrição : 11/06/2013
Idade : 20
Localização : Recife - PE
Respeito às regras : Nenhuma advertência. Após 04 advertências, o usuário será banido.

Escritor especialista em Ação

Ver perfil do usuário http://sedut0r.tumblr.com/
Voltar ao Topo Ir em baixo
Gostou? Então compartilhe: diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

Petter The Hunter - Capítulo 3 [+16] :: Comentários

Nenhum comentário.
 

Petter The Hunter - Capítulo 3 [+16]

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 

Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: ::::::::: PUBLICAÇÃO DE FANFICS [CATEGORIAS] ::::::::: :: SERIADOS / NOVELAS-

Site melhor visualizado e operado no Mozilla Firefox ou Google Chrome.
No Internet Explorer você não conseguirá usar muitos recursos especiais.