Digite o nome do autor do mesmo jeito que aparece no perfil. Será mostrado tudo que o autor participa.


Icon Icon Icon Icon




A Devil For Me. - Capítulo Mais um dia de trabalho. [+16] por sakymichaelis Ter 29 Out 2013 - 19:57



Cavaleiros do zodíaco-batalha final - Capítulo Prólogo [+13] por VITOR/OTAKU 305 Sab 26 Out 2013 - 17:51



Mid - Demons - Capítulo Prólogo [+16] por Lara_ Qui 24 Out 2013 - 18:48



[Me candidato à Beta Reader] Lara_  por Lara_ Qui 24 Out 2013 - 18:32



[Me candidato à Beta Reader] Aline Carvalho  por Aline Carvalho Qui 24 Out 2013 - 17:39



Ver tudo





Nós estamos no ar desde
Sab 16 Mar 2013 - 11:57!


Capítulos postados: 479

Comentários postados: 973

Usuários registrados: 491



O último usuário registrado foi:
sayuri234

Parceiros




Compartilhe | 
 

  Entre Irmãos - Capítulo 1 [+16]

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
MensagemAutor
16062013
Mensagem Entre Irmãos - Capítulo 1 [+16]





Gêneros:
Drama, Romance

Clique aqui para ver as Informações Iniciais:
 




Tom...


Prometi a mim mesmo que não pensaria mais nela, mas a cada dia isso havia se tornando uma tarefa impossível, até mesmo pra mim, que nunca acreditei que isso pudesse acontecer... Sempre fui aquele tipo de pessoa que dificilmente muda de opinião quanto ao amor e relacionamentos, aquele tipo que endossa um compromisso profundo, mas ela acabou mexendo comigo de uma forma que eu desconhecia... E talvez isso não fosse tão estranho se ela não fosse minha cunhada. 

Tudo começou com o casamento de Dan e Kate... Lá estava eu, cumprindo meu papel de melhor amigo e irmão dele. Acho que nunca vi meu irmão tão feliz quanto naquele dia e, consequentemente, eu também nunca estive tão feliz por vê-lo assim... Ele finalmente havia encontrado o que tanto procurava, e todos falavam do quão sortudo ele era por achar alguém como Kate. 

Nossos pais estavam felizes, nossa família sempre tão encantada com ela, e isso era perfeito pra ele, que sempre mereceu o melhor, e isso era perfeito pra mim também, que até esse dia havia sido o irmão que ele mereceu... Até esse dia eu fui o melhor irmão que eu pude ser, fui aquele que ele merecia, aquele que esteve sempre ao seu lado, aquele que jamais o trairia, mas em um breve momento tudo isso mudou. Um momento sentido apenas por mim quando ficamos completamente sozinhos e então ela me olhou. Naquele momento tudo que eu senti foi um repentino tipo de urgência passar por meu corpo, tão poderoso quanto um veneno.
Um veneno que acabou me trazendo um tipo de fascinação... A mesma que até agora se encontra em mim. 

Os meses foram passando e, com eles, esse estranho sentimento que foi crescendo aos poucos, agora já se fazia notar, apenas por mim, e, mesmo assim, eu não conseguia mais ser o mesmo quando estávamos perto um do outro. E a ideia de continuarmos morando no mesmo apartamento que eu e Dan dividíamos em Hamburgo já não era mais tão brilhante assim. 

Tudo nela era estranhamente encantador. Não havia um momento sequer em que eu não quisesse tocá-la ou quisesse beijá-la ou até mesmo tê-la para mim, sussurrando meu nome enquanto nossos corpos se encarregavam do resto. Eu havia me tornado um estranho em minha própria casa, e também para meu próprio irmão... 

Sete meses haviam já se passado e, a cada dia, me distanciar dela era um tipo de tortura. Tentava passar os dias inteiros no estúdio, só voltando à noite para casa porque sabia que ela já estaria dormindo e que me pouparia de seu beijo de boa noite. Cada momento que eu pudesse deixar passar seria melhor pra mim. Isso já havia se tornado loucura e talvez eu estivesse me sentindo meio doente. Afinal, o que eu podia esperar de tudo isso? O que mais ela poderia me dar além de sua amizade? Eles eram tão felizes juntos, e passar um tempo perto deles era como respirar amor, o mesmo tipo de amor em que eu tanto recusei acreditar um dia. E que agora era me negado da pior forma possível. 

Levantei-me naquele dia e fui até à sala, ainda de pijama. Eu sabia que ninguém estava em casa, Dan estaria no estúdio, ouvindo pela milésima vez o quanto sua voz estava ou não boa para o CD, e Kate deveria estar junto com ele... Claro. 

Eu ainda tinha um tempo livre até que eles chegassem e eu tivesse que tentar ignorá-la e fingir que estava tudo bem, mantendo nosso relacionamento de sempre. Eu tinha que fazer isso por Dan, de quem eu sentia muita falta, e eu tinha que fazer isso por ela porque, acima de tudo, eu a respeitava.
Mas eu acreditava sinceramente que de tudo o que estava acontecendo, não poder contar a ele era a pior parte. Claro que ele sabia que havia algo errado comigo, mas ele não fazia ideia, eu não era tão transparente assim, até mesmo com ele, que era meu irmão gêmeo. Bem, pelo menos eu tentava não ser.

Fui até à cozinha e abri a geladeira pegando algo para beber quando ouvi o barulho da porta sendo aberta, pelo som dos sapatos eu diria que era Kate, mas, tendo o irmão que tenho, era também bem possível ser ele de saltos...

-Tom? - Ouvi ela me chamar.

Tentei ignorar e fingir que não ouvi, não seria boa ideia ficar sozinho com ela em casa, eu jamais tentaria algo, mas não era bom sentir sua presença quando tocá-la era impossível...

Saí da cozinha tentando não passar pela sala e, por fim, cheguei ao meu quarto. Ela não entraria lá e, de certa forma, eu estava me protegendo e a ela também. Logo então ouvi a porta bater novamente, ótimo, ela havia saído e lá estava eu sozinho, como sempre. Acho que estou ficando meio melancólico. 
O som da minha melancolia foi interrompido pelo barulho ensurdecedor da voz do meu irmão no telefone.

-Sim Dan? - Perguntei sem vontade alguma.

-Você ainda tá dormindo? Porque não veio pra cá? Você tem que passar o som no piano, esqueceu isso? -Ele gritava no meu ouvido.

-Não! Eu não esqueci... Só estou um pouco cansado e não vou ao estúdio hoje, mas eu prometo que vou ficar treinando em casa e amanhã vai estar tudo bem. - Dan tinha o dom de me deixar nervoso.

-Tudo bem! É melhor que esteja muito bem amanhã ou acho outro cara pra tocar esse piano. - Gritou rindo.

-Se puder encontrar um melhor do que eu...

-Agora sim estou falando com meu irmão, achei que seu ego estava dormindo, mas vejo que não... –Debochou.

-Eu estava falando sério! Agora me deixa e vai cantar!

Desliguei sem esperar sua resposta, que claramente viria acompanhada de outra e outra. Nosso pior defeito era de não saber calar a boca, mas hoje eu não estava a fim de falar...
Fui até à sala onde estava o piano e logo encontrei as partituras da nova música em cima do mesmo. Comecei a tocar, tentando decorá-las para o próximo dia, mas logo outra música tomou conta de meus pensamentos. Não uma música qualquer... Mas o som vindo de suas palavras...
Virei-me, a encarando, e lá estava ela com seu sorriso terrivelmente encantador.

-Você estava aqui o tempo todo? - Ela perguntou sorrindo.

Acenei positivamente pra ela, tentando não deixar o momento tenso e fazer com que ela se fosse, mas foi exatamente ao contrario. Kate caminhou até mim, pedindo espaço pra se sentar ao meu lado, e eu deixei que assim fosse. 

-Música nova? 

-Sim! -Respondi sem olhá-la

-Se incomodaria de... - Ela parou de falar e eu quase decifrei seu rosto envergonhado.

- The Ludlows? – Eu completei e ela sorriu... Eu sabia que era errado, mas naquele momento tudo que eu mais queria era poder beijá-la.

- É minha música favorita e eu adoro quando você toca... - Eu sabia que ela gostava, por isso eu tocava, mesmo odiando aquela música. Justamente por que ela me fazia pensar em Kate e isso me matava.

E, então, sem responder, eu comecei a tocar... Aquele som que eu mais ouvi durante esses sete meses e que eu já havia decorado. Essa não era a primeira nem seria a última vez que ela me pedia pra tocar, mas eu não nunca havia feito com tanto gosto quanto neste momento. 

Eu a vi fechar os olhos enquanto eu tocava e, por um instante, pude sentir ela encostar sua cabeça em meu ombro. Talvez tenha sido sonho... Ou meus pensamentos foram longe demais. Por mais cruel que isso fosse, eu sabia que voltaria à realidade em segundos, mas naquele momento ela era minha e, mesmo que inocentemente, eu iria aproveitá-lo.

-Quer dançar? – Perguntei relutante.

-Dançar? – Ela me olhou surpresa.

-Sim. – Eu a olhei.

-Eu adoraria dançar com você, Tom. – Respondeu sorrindo

Ela não havia quebrado esse momento, e, se ela não o fez, não seria eu a atrapalhar. Não poderia haver culpa, era apenas uma dança. O que havia de mal em uma dança? Sinceramente, eu espero que nada.Saímos de perto do piano e eu caminhei até o som, colocando novamente James Horner para tocar, só que agora o próprio e não meu mero solo ao piano.

Caminhei até ao centro da sala e a olhei como se precisasse de uma permissão sua para unir nossas mãos... O que não demorou muito... Por fim nossas mãos se tocaram e eu bobamente olhei para elas por um tempo até que a voz de Billie ecoou pela casa me tirando do mundo que eu próprio criei. O mundo perfeito onde aquele sorriso que agora enchia meus olhos da visão mais privilegiada do mundo era todo meu e, por mais que isso fosse egoísta, neste mundo Kate era só minha.

-Você está sério. – Ela me despertou.

-Culpa do James. – Brinquei e ela então encostou seu rosto em meu ombro. Eu me curvei novamente, fechando meus olhos.

Não... Não havia nada de mal em uma dança, mas sim no que eu estava fazendo, não só com meu irmão, ou Kate, mas também comigo, e eu estava ciente de que a partir deste momento tudo se tornaria mais difícil.

-Tom? – Ela me olhou com os olhos marejados.

-Sim – Falei me afastando para que a pudesse olhar.

-Eu preciso conversar com você – Ela olhou para meus lábios e eu instintivamente os humedeci.

O clima ficou estranho, ela já não me olhava mais, suas mãos agora envoltas nas minhas suavam e sua respiração era descompassada. Kate estava nervosa e eu não fazia ideia se era culpa minha ou não.E tão cedo eu não iria descobrir. Enquanto a segurava, Dan nos olhava estranhamente perto da porta...

-Oi? –Ele falou sem graça e quase pude sentir o ciúme em sua voz.

Ela rapidamente saiu do meu lado e foi até ele, o abraçando.

-Oi amor? - Ouvir aquilo era terrível.

- James Horner, de novo? –Ele fez cara de nojo e ela sorriu.

-É... De novo. - Esse fui eu tentando não ser ignorado. 

-Vamos almoçar? Eu comprei nosso almoço. - Dan perguntou quebrando por fim o clima tenso no ar.

-Ainda bem, pensei que a Kate fosse cozinhar. – Falei recebendo um tapa dela como resposta.


Sorrimos e logo fomos caminhando até à sala, aquele com certeza era um momento familiar do qual eu gostava. Kate sempre deixou claro que me queria por perto o tempo todo, e que não existia ela e Dan... Existíamos nós três e assim seriamos uma família... Pelo menos até eu formar a minha...





avatar
Birdy


Mensagens : 1
Popularidade : 0
Data de inscrição : 16/06/2013
Idade : 29
Respeito às regras : Nenhuma advertência. Após 04 advertências, o usuário será banido.

Escritor especialista em Romance

Ver perfil do usuário
Voltar ao Topo Ir em baixo
Gostou? Então compartilhe: BookmarksDiggRedditDel.icio.usGoogleLiveSlashdotNetscapeTechnoratiStumbleUponNewsvineFurlYahoo!Smarking

Entre Irmãos - Capítulo 1 [+16] :: Comentários

Ameiiii sua narrativa, simplesmente encantadora! Eu acho que já me apaixonei pelo Tom por ter algumas características semelhantes a quem eu conheço. 
Amei e com certeza irei acompanhar! ^^
avatar
Re: Entre Irmãos - Capítulo 1 [+16]
Mensagem em Ter 25 Jun 2013 - 10:56 por Cris Varella
Gostei bastante também. Parece que vai ser um romance bem emocionante!
Re: Entre Irmãos - Capítulo 1 [+16]
Mensagem  por Conteúdo patrocinado
 

Entre Irmãos - Capítulo 1 [+16]

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 

Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: ::::::::: PUBLICAÇÃO DE FANFICS [CATEGORIAS] ::::::::: :: ORIGINAIS-

Site melhor visualizado e operado no Mozilla Firefox ou Google Chrome.
No Internet Explorer você não conseguirá usar muitos recursos especiais.