Digite o nome do autor do mesmo jeito que aparece no perfil. Será mostrado tudo que o autor participa.


Icon Icon Icon Icon




A Devil For Me. - Capítulo Mais um dia de trabalho. [+16] por sakymichaelis Ter 29 Out 2013 - 19:57



Cavaleiros do zodíaco-batalha final - Capítulo Prólogo [+13] por VITOR/OTAKU 305 Sab 26 Out 2013 - 17:51



Mid - Demons - Capítulo Prólogo [+16] por Lara_ Qui 24 Out 2013 - 18:48



[Me candidato à Beta Reader] Lara_  por Lara_ Qui 24 Out 2013 - 18:32



[Me candidato à Beta Reader] Aline Carvalho  por Aline Carvalho Qui 24 Out 2013 - 17:39



Ver tudo





Nós estamos no ar desde
Sab 16 Mar 2013 - 11:57!


Capítulos postados: 479

Comentários postados: 973

Usuários registrados: 491



O último usuário registrado foi:
sayuri234

Parceiros




Compartilhe | 
 

  Liebe und Hass - Capítulo 01 - Parte I [+16]

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
MensagemAutor
26062013
Mensagem Liebe und Hass - Capítulo 01 - Parte I [+16]

Clique aqui para ver todos os capítulos desta história!



Tema do Livro:
Saga Crepusculo

Gêneros:
Drama, Romance, Angst,

Clique aqui para ver as Informações Iniciais:
 





Morbidez tomava conta da noite em torno do Castelo de Vaduz. Aquele era um ambiente muito belo naturalmente e eu não podia negar que a ação que envolvia aquele lugar era belíssima, principalmente quando o astro principal era o Castelo em que fui criado. O Castelo de Vaduz, para mim, sempre foi um dos melhores locais para viver no mundo; nem mesmo a carga história que ele traz consigo era um problema.

Jamais houvera algum tipo de problema com Liechtenstein, aliás: o problema, na verdade, foi o meu espírito extremamente aventureiro. Quis, desde muito jovem, desvendar outros países apenas para melhor conhecê-los. Não havia nada demais; não havia nada nos outros países que eu não pudesse encontrar em Liechtenstein. Quer dizer, havia sim uma única coisa que eu não consegui encontrar em minha terra natal, mas que consegui encontrar do outro lado do oceano: o amor de uma pessoa que não estava interessada em saber o que eu era de fato e tampouco se interessava no dinheiro que eu trazia comigo. Ela tinha um histórico sofrível em sua vida; entretanto, ainda assim, ela conseguia nutrir consigo a pureza. E é bem provável que você se atreva a bater palmas para a biografia dela quando a souber.

A porta do escritório rangeu. Os criados da casa sabiam as regras impostas por Sulpicia Laurelei, minha tia materna, desde o momento em que ela pós os pés naquela casa, mas às vezes parecia que nem mesmo ela sabia as regras que impunha – e isso sempre me deu muito asco. Mulher asquerosa.

— Você está fazendo isso errado, Sulpicia — eu a disse, antes que ela movesse-se para perto de mim, retirando os fones de ouvido. — Dê meia-volta e faça o que qualquer pessoa com etiquetas faria.

— Farias isso com a sua própria tia? — ela argumentou, achando que conseguiria qualquer coisa com isso.

— Eu não tenho que responder a isso.

Era isso ou fala-la sobre o marido que a trocara por uma garota vinte ou trinta anos mais nova. Aspereza era tudo o que eu menos necessitava no momento. Precisava apenas de sossego e essa era uma coisa que eu não teria caso ela estivesse por perto. Sulpicia estava com a fixação, nos últimos tempos, de unir-me a sua filha Athenodora para torna-la uma Majestade junto a mim; entretanto, tal ação não dava muito certo: esta era minha prima e, sob meu olhar, não tinha nada de atrativo; além do mais, estava noiva, pronta para se casar no próximo verão. Não tinha nexo algum eu investir em uma pessoa prestes a contrair um matrimônio.

Comecei a digitar rapidamente palavras no teclado do notebook, ainda que fixasse meu olhar em minha tia, que parecia presa com um prego ao chão de pedra daquele cômodo. Pessoas insistentes aquele porte irritavam-me grandemente, ainda mais quando não tinham razões não abjetas para estar comigo. Aquele era meu único momento de lazer, quando este existia, e a mesma fazia questão de querer interromper-me? Mal sabia ela que Caius ouvia a tudo o que falávamos e estava segurando-se, via Skype, para não rir.

— Athenodora gostaria muito de falar com você em sua viagem à Londres.

Já não era segredo a ninguém minha viagem à Inglaterra a negócios. O país em que vivíamos era pequeno, o que tornava tal assunto compreensível. Entretanto, o que não era compreensível era o fato de que Sulpicia não sabia separar o lado profissional do lado pessoal: eu não iria para a Inglaterra para ver minha prima e isto estava muito longe de acontecer, obviamente. Negócios eram negócios e vida pessoal era vida pessoal, e eu custei saber disso.

— Qual parte de “vida pessoal não se mistura com profissional” você não entendeu? Eu não quero nada com Athenodora do mesmo jeito que ela não quer nada comigo e assim permaneceremos – distantes um do outro, seguindo nossas vidas – por tempo indeterminado — retruquei, enfezado: chegava a ser ridícula a situação. — Agora, por favor, retire-se do cômodo antes que eu mesmo tenha que fazê-lo, o que não será nada agradável.

O nariz de minha tia, naturalmente empinado, encurvou-se um pouco mais quando ela recolheu sua humilhação e bateu a porta com força ao sair. Fiz o favor de, antes de continuar a conversa que tinha com Caius, trancar-me naquele cômodo e trazer a chave comigo ou logo mais a mesma invadiria o cômodo com mais alguma de suas pérolas. E não era agradável que mais uma de suas ignorâncias invadissem minha vida novamente.

Logicamente, e como eu previ, Caius não segurava a risada quando voltei ao notebook, colocando o fone de ouvido na tentativa de manter-me, ao máximo, restrito. Athenodora era a noiva dele e isso não era segredo para minha tia desde nunca, mas obviamente os ideais deles não eram os mesmos e, por isso, não se davam nada bem; Caius, entretanto, era o genro sonhado por seu sogro e, por isso, Eleazar praticamente idolatrava-o e entregava a contabilidade dos negócios da família em suas mãos.

— Como você aguenta? — Caius perguntou-me. — Aguentar dez minutos ao lado dessa mulher é muito, imagine trinta e cinco anos! Nem os filhos dela tem piedade, porque você teria?

— Foi um dos últimos pedidos de minha mãe antes da morte. Ou eu dou um teto para Sulpicia morar ou ninguém terá piedade dela. Como você acabou de dizer, nem os filhos dela tem piedade; isso é triste… eu não gostaria de chegar à idade dela e acabar do mesmo jeito que ela está. Mas antes ela aprendesse com os erros que cometeu! Ela acha sempre que está certa e quem ela acha que está errado deve-lhe pedir desculpas eternas.

— De alguma forma, você não deve se preocupar muito com ela — Caius respondeu-me automaticamente. — Sendo da sua ciência ou não, mas falarei do mesmo jeito, os Denali a deixaram uma boa fortuna apenas pelo fato de ela ter saído de casa; imagine agora o quanto ela recebeu para sair da vida deles sem colocar um litigio no meio?

Eu imaginei. Devia ter muito dinheiro em jogo nessa história toda. Os Denali sempre rejeitaram minha tia e devem ter odiado muito ao longo dos vinte anos que ela ficou casada com Felix. A única coisa boa que restou de tudo foi os dois filhos que eles tiveram, Athenodora e Felix, mas nada mais. Estava no sangue de Sulpicia ser chantagista e ela fez tais coisas com toda a minha família – meus pais, eu e meu irmão, os pais dela… – e da família do ex-marido dela. A lista era tão comprida e eu não gostaria de lembrar cada sujeito que ela fez questão de chantagear – não me faria bem.

Mudar de assunto, por mais que este fosse péssimo, era a melhor solução para o momento.

— Você está muito estranho — Caius percebeu automaticamente. — Eu não tenho muitas notícias de Isabella, se você quer saber. Ela está com a vidinha murcha dela e não faz muito além de ir às aulas de Pós-Doutorado e, depois, dar as próprias aulas. O irmão dela marcou o casamento com a noiva, o que a faz ficar um pouco ocupada com a organização do casamento já que a cunhada escolheu-a como Madrinha, e, às vezes, aos finais de semana, ela sai com Rosalie. A vida de Isabella não passa disso: Rosalie às vezes fala que é bom ela encontrar outro alguém, mas o desejo não é existente.

Havia um lado bom disso tudo: se Isabella não encontrasse ninguém e se eu achasse um meio de burlar aquela lei insana, nós poderíamos ficar juntos e seriamos felizes para sempre, tal qual o clichê dos Contos Maravilhosos. Mas havia o lado ruim, também: se eu não arranjasse um modo de contrapor as leis expostas em 1653 – uma lei mais nova, em meio às milhares existentes – e ela não arranjasse ninguém, seria ruim se eu soubesse que ela esteve esperando por mim. E eu não queria outra pessoa senão Isabella.

— Não se aflija, Edward — Caius avisou, avaliando a careta que devo ter feito.

— Eu não estou aflito. Simplesmente, eu não sei mais o que fazer. Meses e meses e não achei nenhum modo de burlar aquela lei bendita.

— Não são tantos meses assim, entretanto.

— Um ano é um tempo muito longo para mim. Entretanto, tenho certeza absoluta que minha mãe apoiaria que eu fizesse o que faço hoje; afinal, Esme sempre quis a minha felicidade.

— Sim, ela sim — Caius respondeu, dando um suspiro que eu poderia considerar até longo —, mas você certamente não diria o mesmo de seu pai. Mudemos de assunto: esse papo depressivo não tem nada a ver comigo, eu já te disse isso antes; quer chorar suas mágoas, procure um psicólogo, o que eu não sou. Como andam as coisas por aí, além de sua tia torrar sua paciência quotidianamente? Digo, seu irmão tomou jeito ou será que ele precisará levar um esporro novamente de sua tia Renata?

— Para quê? Demetri não vai tomar jeito. Para ele, será tudo sempre eueu e eu novamente. Nesse exato momento, ele deve estar em algum cassino de Mônaco aproveitando, para coisas sábias, ou torrando, inutilmente, uma parte da herança que nossos pais o deixaram. Ele acha que tem muito mais dinheiro de onde aquela montanha veio, mas engana-se ele muito. Não sou um banqueiro.

— Você sabe disso, sua família sabe disso, eu sei disso, mas será que ele sabe? Ele ainda está em choque, de certa forma. Não que Demetri não se conforme com o fato de você ser o quem é, porque ele prefere mil vezes você neste lugar que ele, mas sim o modo rápido e violento que seus pais faleceram – os dois ao mesmo tempo; até eu, durão do jeito que sou, não aguentaria.

A morte de um ente querido pode trazer reações de modos diferentes para as pessoas, eu sabia bem disso. Eu havia me conformado com o acidente e adotado definitivamente o meu destino; eu sabia que ainda sendo irmão gêmeo de Demetri, o meu destino estava predestinado desde o momento em que o médico anunciou publicamente que eu era o primeiro herdeiro a nascer, sendo que meu irmão nascera alguns minutos mais tarde, com o cordão umbilical enrolado em seu pescoço. Era o meu destino e eu não podia retrucar, por mais que quisesse cometer tal ato. Obviamente, se eu fosse suficientemente louco, poderia renunciar ao meu trono e deixar tudo para o meu irmão; eu já conversara diversas vezes abertamente sobre o assunto com ele, mas estava nas atitudes do mesmo que o desejo dele era que o principado se explodisse por completo; eu sempre me importei com o meu povo. Essa era a nossa diferença. E se fosse assim, eu preferia ficar no meu local que é de dever estar; eu não seria desleal a um povo que gostava do meu principado… Ao menos, eu os dava atenção, ao contrário do que era feito anteriormente.

Os assuntos que falava com Caius nos últimos tempos estavam desgastando-me mais rapidamente. E eu não precisava ficar escancarando para meio-mundo o meu cansaço. Caius sabia mais que ninguém como eu desgastava-me fácil com tantas coisas em minha mente.

Ele disse, antes mesmo que a filha dele – uma adolescente mimada cheia de regalias e cheia denão me toques que ele custava admitir – chegasse à sala; era perceptível que ela estava naquele ambiente, já que vez ou outra o tom de voz dela chegava até o ambiente que Caius estava:

— Amanhã conversaremos mais, Edward. Boa viagem até Londres.

— Boa noite…

O desânimo tomou ainda mais conta do meu corpo quando eu desliguei o computador e assim eu tive noção de quão cansado eu estava. Estava desdobrando-me em três ou quatro pessoas para produzir tarefas quando eu não fora acostumado a fazê-las. Eu não vira a parte legal de ser monarca até o momento que subi ao cargo; só achara pontos negativos, dentre eles o estresse.

Levantei-me de minha cadeira e segui para o meu quarto, já pronto para dormir. Andei lentamente por aquele extenso corredor de pedra sem sentir atração alguma até mesmo para abrir a porta do meu dormitório, mas eu sabia bem que o dia seguinte seria longo e que Londres esperava-me a negócios, para aplicar a política da boa vizinhança. Mas eu estava cansado em pensar somente em negócios, negócios e na merda de negócios o dia inteiro; eu já não mais pensava na minha vida pessoal porque ela virara minha vida profissional também e, de qualquer forma, se eu pensasse nisso como antigamente pensava, tinha certeza que eu estaria de ponta-cabeça há mais tempo.

Fechei-me em meu banheiro tão logo. A verdade era que eu desejava que uma mortalha envolvesse-me para que eu, de vez, fosse levado para o meu sepulcro. Talvez eu estivesse lendo muito Goethe – na verdade, eu estava com um exemplar de Fausto sobre minha cama – e já tivesse passado a hora de eu parar de lê-lo. Era saudável que eu fosse, apenas, escovar os dentes e recolher-me sem ler trechos do livro antes de dormir nessas ocasiões ou eu sonharia a noite toda com o meu pescoço em uma guilhotina naquela típica ideia romântica, época a qual não pertencemos. E foi tão somente o que fiz: recolhi-me em minha cama apenas para não ter que ficar sonhando com a morte seguindo-me, mas, de qualquer forma, não foi a melhor das ideias, ao menos não quando você está fugindo de um pensamento e encontra outro que tampouco queria pensar.

Não… Eu não queria pensar em Isabella aquela noite. Eu não queria ter que pensar nela sem tê-la por perto. Isso me fazia sofrer em excesso e não era nada bom.

Definitivamente Goethe, você persegue-me de todas as formas.

Ou era isso, ou um calmante. E eu não sou dado a remédios.

O bom (ou ruim) de tudo isso, contudo, foi que, daquela vez, após ler Goethe, a minha mente pareceu afastar-me das lembranças de Isabella – preste atenção no detalhe: apenas pareceu; tudo ficou escuro e eu não pensei em um túmulo, o mesmo túmulo que estão enterrados meus pais, pela primeira vez. Ficou tudo escuro. E eu dormi sentindo o peso nas minhas costas não se aliviando, mas ao menos eu tive um pouco mais de sossego.





avatar
nscherbatsky
Moderadora
Moderadora

Mensagens : 39
Popularidade : 13
Data de inscrição : 16/06/2013
Idade : 26
Localização : São Paulo
Respeito às regras : Nenhuma advertência. Após 04 advertências, o usuário será banido.

Escritor especialista em Romance

Ver perfil do usuário http://nscherbatskyfanfics.blogspot.com.br/
Voltar ao Topo Ir em baixo
Gostou? Então compartilhe: diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

Liebe und Hass - Capítulo 01 - Parte I [+16] :: Comentários

Nenhum comentário.
 

Liebe und Hass - Capítulo 01 - Parte I [+16]

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 

Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: ::::::::: PUBLICAÇÃO DE FANFICS [CATEGORIAS] ::::::::: :: LIVROS-

Site melhor visualizado e operado no Mozilla Firefox ou Google Chrome.
No Internet Explorer você não conseguirá usar muitos recursos especiais.